Terça-feira, 31 de Maio de 2011

Mil loucos brandem

No infrutífero de sua loucura,

Minha cabeça, arruínam

Neste mundo sem formosura.

 

Sinto ser, o inconformismo

Em personificação…

Discípulo do pessimismo

Por subordinação…

 

Ergo louvores a derrota,

E ao fado, fadado.

Em meu pensar não brota,

A visão de um mundo melhorado.

 

Desisto antes do começo…

De algo ser feito.

Assim não pago o preço,

De ver meu sonho desfeito.

 

De nada serve lutar…

Ou entrar em batalhas perdidas.

Só no cansaço das pensar

Já as dei por rendidas.



publicado por pseudo-poeta às 23:28 | link do post | comentar

Corrói os meus dias…

Dilacerando meu corpo fraco,

Me confina, a um desalento sem acto

Em pecaminosas nostalgias.

 

Vislumbres de um passado,

Que o tempo levou.

Que na memória se marcou,

Em meu ser trespassado.

 

Nas horas actuais

Nesta era, sem rumo

Se evapora no fumo,

Dos sonhos que calcinais.

 

Cáustica é a existência,

Perante a corrosiva negrura…

Definhada em minha amargura

Cruz de minha penitência.

 

O ácido que me corrói…

Manancial de tudo o que dói…

Principio do fim, que me destrói.



publicado por pseudo-poeta às 23:27 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

Todas as minhas ideias, palavras…

Versos… nada são.

Conexos complexos…

Que, a nada levarão.

 

A beleza universal

Que o universo contêm,

Em mim provoca, por vezes

Apenas um sentimento de desdém.

 

E as falsas verdades

Que tantos julgam defender,

São utopias sem nexo

Que não consigo conceber.

 

Tudo isto…é nada!

 

Em dias como o de hoje…

Em que algo carece em mim.

Tudo é inútil, despropositado,

Num imenso nada sem fim.



publicado por pseudo-poeta às 22:45 | link do post | comentar

Páginas em branco

Que carregam toda a agonia do meu ser.

Páginas onde tranco

Os despojos, de meu viver.

 

A estupidez, dos dias…

Que suporto… suportar.

Esquecido de alegrias.

Num constante batalhar.

 

E a tua falta…

A tua flagelante ausência,

Em meu ser exalta,

Toda a minha dependência.

 

E fecho os olhos, perpetuando…

Um momento no passado

Sem corda, o vou agarrando,

E vou mantendo lembrado.

 

Teima o mundo em girar,

E a mim tudo me parece insignificante.

Até mesmo o sol brilhar,

Me parece algo delirante.

 

Faço um esforço, tantas vezes vão…

Para me rir, e mostrar felicidade.

Tantas vezes caio por chão,

Em minha modesta nulidade.

 

E culpo o mundo, a humanidade

Por toda esta minha convalescença.

Devia ter, e não tenho, humildade.

Em não alimentar em mim, tal crença.

 

A página outrora branca…

Vejo-a agora rabiscada.

Ela prende, esconde, e tranca…

Fragmentos de minha vida irada.



publicado por pseudo-poeta às 22:09 | link do post | comentar

Quinta-feira, 26 de Maio de 2011

Caio…

 

Na tristeza que sempre me marcou,

Neste desconsolado sentimento que me abraçou.

Amaldiçoando o tempo que já passou.

 

Destroçado me encontro neste preciso momento.

Agredido por este perverso tormento,

Fonte inesgotável de todo o meu sofrimento.

 

Caio…

 

Em meu purgatório privado,

Onde meu coração, em sofrimento é estrangulado,

E tudo o que era belo se vê, acabado.

 

Se fina em mim, a alegria que reinava…

Que meus tristes dias, em soberbos transformava.

Cessou o ânimo que dentro de mim cavalgava.

 

Caio…

 

Sem me poder levantar…

Nada resta, se não esperar…



publicado por pseudo-poeta às 23:08 | link do post | comentar

Convulsões ruinosas em minha mente,

Ser desafortunado e descrente.

Extraviado de seu precedente,

Revoltado, em sua ira incoerente.

 

Renego a falsas convicções,

Me resumo em minhas ilusões.

No desespero amargo de minhas frustrações,

Me escondo, em vagas de objecções.

 

Me mutila, aquilo que não obtenho,

Me estropia, aquilo que não tenho.

Em meu desejo profundo, onde tudo desdenho,

No imenso nada que em mim contenho.

 

Convencido estou, que tudo é assim.

Na confusão eterna que existe dentro de mim,

E me impulsiona para mais perto do fim.

 

Para um desterro…cruel e brutal,

Onde capitulo numa luta desigual

Decepado por um golpe fatal.



publicado por pseudo-poeta às 22:05 | link do post | comentar

Terça-feira, 24 de Maio de 2011

O cinzeiro que olho fixamente,

Cinzeiro de meus sonhos.

Final de coisa nenhuma.

Descaio sobre, ti novamente…

Em meus pensares medonhos,

Envolto em minha própria bruma.

 

Redondo, quadrado…

Transbordando de cinza carbonizada,

Final do fim, de uma chama acesa.

Desígnio de um fim esperado

De uma calma martirizada,

Da dilacerante certeza.

 

E tenho vontade de pegar no cinzeiro…

E estatela-lo contra uma parede da divisória.

Vê-lo desfazer em cacos…findando-se no chão.

Tenho essa vontade… não seria pioneiro…

Mas poderia redigir uma outra história.

Em que seus cacos, não seriam os cacos de minha razão.



publicado por pseudo-poeta às 00:50 | link do post | comentar

Algo maior que a vida…

E que todas as coisas palpáveis.

Algo maior que meu ser,

E que todos os males irremediáveis.

 

Algo tão grande…

 

Maior que os sonhos, que os dias.

E que as horas infinitas.

Que todas as profanas melancolias.

 

Gigantesco sentimento…

Maior que qualquer abismo, ou inferno…

Mais forte que o mar e que o vento

Algo tão imenso e tão terno…

 

Algo maior…

 

Maior do que o interminável…

Mais belo, mais afável.

Titânico e irrefutável.

 

Um algo muito maior…

 

Maior, que a certeza e a incerteza.

Mais rico que qualquer riqueza

Mais nobre que qualquer nobreza

Mais forte que qualquer fraqueza.



publicado por pseudo-poeta às 00:22 | link do post | comentar

Quinta-feira, 19 de Maio de 2011

Conta-me um conto, desses de encantar

Onde tudo seja belo, até o acordar.

Onde para mim o sol se disponha a brilhar,

Onde rimas minhas não se percam no ar.

 

Vem e embala-me numa história colorida…

Algo melhor que esta vida

Melhor que esta teia… tecida.

Dilacerante e retorcida.

 

E que da vigente dor, se resumam recordações

E que vivam de mãos dadas sonhos e ilusões.

Que exista luz, ao inverso de clarões.

E que os dias. Os dias sejam mais que desilusões.

 

Nesse mundo extasiado,

Nessa história inexistente

Meu delírio seja controlado

 

E o mundo seja menos deprimente

Vivendo num conto encantado

Arrebato e contente.



publicado por pseudo-poeta às 00:18 | link do post | comentar

Terça-feira, 17 de Maio de 2011

Subo ao topo do monte

E grito bem alto

Fico de frente…de fronte

E depois… salto.

 

Não percebo…

Ou não quero perceber,

Que tudo o que recebo

Acabo por perder.

 

Vazio existencial

Que preenche meu ser

Um estranho manual

Que não me ensina a viver.

 

E grito…

Repetidamente em meu pensamento.

Soltando a revolta e a frustração

Luto, de mãos nuas com o tormento,

Até que um de nós caia pelo chão.

 

Só mais um grito…

Solto em vão.



publicado por pseudo-poeta às 00:35 | link do post | comentar

Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

Tripudiando na noite,

Absortos do real…

Os loucos vão dançando,

Numa demência marginal.

 

Silhuetas rastejam pela parede,

No fulgor do desatino.

Se brandem corpos

Ao sabor do sopro divino…

 

Tomados por algo demoníaco

Se entrelaçam na dança,

Matando as desventuras

Num concílio de bonança.

 

Um crepitar de almas, cansadas

Deste algo, semelhante ao viver.

Se consomem num falso motim

Respirando ar até ao amanhecer.

 

E pobre de mim…

Que sou louco, e não sei dançar.



publicado por pseudo-poeta às 01:19 | link do post | comentar

Não me satisfaz

O que tenho.

A mim me desfaz.

O que desdenho.

 

Quero algo mais…

Algo diferente do normal.

Pois sou dos tais,

Que teme o banal.

 

Julgo ter uma certa fobia…

Em meu desconserto natural,

Da flagelante monotonia

Que transtorna o que é fulcral.

 

Me aborreço na displicência

Das horas infernais…

Gritos de clemência…

Pedindo apenas, algo mais.

 

Algo mais…

Que a fútil banalidade,

Que jamais…

Me poupa á sua brutalidade.



publicado por pseudo-poeta às 01:17 | link do post | comentar

Segunda-feira, 2 de Maio de 2011

Entre poeirentas prateleiras

Atafulhadas de objectos anónimos,

Se encontram falsidades, verdadeiras.

Entre seus criptónimos.

 

Equações pretensiosas

Num velho quadro, esquecidas.

Ambições perigosas,

Que o tempo levou vencidas.

 

Homem sem semblante

Perdido no imenso, de seu ser

Olhar delirante…

Que tudo olha, sem nada ver.

 

Demonstra a cólera adormecida

Pela poção não ter encontrado.

Em uma epopeia perdida,

No seu sonho quebrado.

 

Forçou a ciência, e o conhecimento

Tentou corrigir a realidade.

Era a sua vida, seu empreendimento.

Mas foi fadado á orfandade.



publicado por pseudo-poeta às 22:44 | link do post | comentar

Os momentos presentes,

Cedo serão memórias.

Estaremos ausentes

Relembrando historias.

 

Sentiremos, saudades,

Lembraremos o passado.

Filmes de outras idades,

Em que não havia pecado.

 

Marcharemos rumo a outra era…

Insatisfeito com esta.

Chutando na esfera,

Feia, e funesta.

 

Dobraremos o tempo,

E a sua malvadez.

Vencendo o contratempo,

Para viver outra vez.

 

Memórias…memórias.

Apenas restam memórias.

De outros tempos de outras glórias.



publicado por pseudo-poeta às 22:42 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

HOJE É UM BOM DIA PARA ES...

O PÂNTANO

O MELHOR DE DOIS MALES

DESCULPEM A SINCERIDADE…

A SOMA DE TANTOS ZEROS

DE DIFÍCIL COMPREENSÃO

TRANSPLANTE CEREBRAL

CASTELOS DEVOLUTOS

O FUMO DAS CHAMINÉS

TRINDADE

A MINHA CABEÇA VS A PARED...

SOFÁ-CELA

BANALIDADE

PORTUGAL 1143-2012

IMPERFEIÇÕES

RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL

MÁSCARAS

INSIGNIFICANTE

A CULPA É DA CANETA

OBLATA

SE É ESTE O FADO, QUE POS...

TENTATIVA DE ANIQUILAÇÃO

FICAMOS SÓS

POEMA AO NADA

MORTE AOS ARTISTAS

OBJECTOS INANIMADOS

IMPOSSIBILIDADE UNIVERSAL

GANG-BANG (POEMA ECOLÓGIC...

DESMORONAMENTO

BESTA

O PALHAÇO

FALSO IDEAL

FAZ FRIO

OS OUTROS

ALMENDRA REVISITADA

POBRES MORTAIS

TENHO MEDO DE MIM

NARCÓTICO

CABISBAIXO

ANTES FOSSE UM PESADELO

INEVITAVELMENTE

1\4 DE 0

BASTA

THÁNATOS

COLISÃO FRONTAL

VEIO Á NOITE

QUE RUMO?

A IMPERATRIZ

UM DIA DEPOIS DE ONTEM

OBSERVANDO O PASSADO, O P...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

blogs SAPO
subscrever feeds