Terça-feira, 26 de Junho de 2012
Correntes grossas…
Grossas correntes…

Gestos quietos, que embalam o universo inteiro
Em sono, onde não se dorme.
Onde não se acorda, porque se não dormiu.
(Mas é sempre bom ser-se embalado.)
Viagens sem partida, onde se anseia a chegada.
Feitas em comboios sem locomotiva,
Sem ninguém para os guiar.
(Mas mesmo assim, vem o revisor
Verificar se o bilhete foi comprado.)

Tirámos todos, bilhete, para ir a nenhum lado.

Um dia nebulado, noite negra sem estrelas…
E no horizonte, ergue-se a cidade.
Luzes, prédios altos, jardins abandonados.
Casas…
Onde se come, onde se dorme, onde se fode…
Mas não se vive.
Objectos inanimados de diversos tamanhos.


publicado por pseudo-poeta às 23:38 | link do post | comentar

Desço á terra depois de grande devaneio,
Limpando lagrimas de meu rosto.
És tu, aquela por quem eu anseio.
Ansiada por meu coração decomposto.

Olho, estiolo na discrepância
Que existe, entre os meus sonhos e a realidade.
Nunca te quis, por ganância,
Mas pelo que sinto ser verdade.

Não te falo agora daquele amor,
Que só existe nos contos de fadas.
Este, é tão real como a dor,
E como todas estas horas amarguradas.

Elevei-te várias vezes á perfeição
Sem mostrar qualquer tipo de arrependimento.
Afinal, és como a bênção,
Que sana em mim o sofrimento.

Desconheço e temo o futuro,
Não sei o que ele vai trazer.
Mas temo que ele erga um muro,
Pelo qual nem te posso ver.

Nunca te vou chegar perto,
Nunca te vou poder abraçar.
Nunca tudo isto deixará de ser deserto,
Nem os fogos que ardem em mim se irão apagar.

Nós os dois, seremos sempre dois,
Permaneceremos distantes de sermos só um.
E como nós os dois, seremos sempre dois,
Nada disto te fará sentido algum.


publicado por pseudo-poeta às 00:32 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21 de Junho de 2012
Terceiro planeta do sistema solar,
Esfera cintilante, de um azul celeste.
Estão sempre prontos para te violar,
Aqueles a quem abrigo deste.

Baixam-te tuas vestes…
E são biliões para te sodomizar.
Não interessa tudo o que lhes fizeste…
Tem o direito de te estuprar.

E agora falando num típico “bom português”:
Estão sempre prontos para te foder!
E nem esperam sua vez.
E fodem-te, até tudo em ti morrer.

Ganb-bang mundial,
Sempre tu, Terra, a seres copulada.
E nem se sentem mal,
Por seres constantemente conspurcada.

É-lhes um direito adquirido
E corrompe-te sem punição.
Não sei por quem lhes terá sido oferecido,
Ou se é só mesmo sua depravação.


publicado por pseudo-poeta às 01:47 | link do post | comentar

Terça-feira, 19 de Junho de 2012
Por vezes sinto o chão ruir debaixo dos meus pés,
E o céu desabar sobre meus ombros.
Sinto, falta do que tu me és…
Quando soterrado em escombros.

(Não fazes ideia do teu valor para mim,
Nem eu mesmo o consigo quantificar.
Mas talvez seja melhor assim…
Há coisas que não se conseguem observar.)

Dão-se desmoronamentos diários
Neste meu mundo em destroços.
E as horas, e os segundos são meus adversários,
Opositores, de meus esforços.

Tudo se desmorona a minha volta,
Sem hipótese de se voltar a erguer.
E até o céu contra o chão se revolta,
Pondo as ruínas arder.

No meio de todo o caos, uma certeza…
Um algo maior que me domina.
Temo é que com toda a minha fraqueza,
Nem tu me salves da completa ruína.


publicado por pseudo-poeta às 09:16 | link do post | comentar

Acorda animal!
Serás sempre besta, nunca bestial.
A teus olhos, pensas ser alguém…
Para os outros és nada, és ninguém.

Eu não sou melhor que tu,
Nem sei se chego a ser igual.
Sou tão besta como Belzebu
Tirando a parte de não fazer o mal.

Mas que interessa isso nos tempos correntes?
Que diferença faz?
O mundo pertence aos valentes
E tu, só de ser besta és capaz.

Amor-próprio, deixei de o ter…
Sou o meu mais acérrimo crítico.
Sou a besta que podeis ver,
Com a bestialidade como poder mítico.

Nem me conforto, contrariando-me…
Não desminto a besta que sou.
Daqui levanto-me…
Deito-me… na réstia de humanidade que em mim sobrou


publicado por pseudo-poeta às 09:14 | link do post | comentar

Pinta a cara…
Esconde o rosto.
Nada é, como ele imaginara,
Pintura rápida…disfarça o desgosto.

Em sua fronte, um sorriso pintado.
No corpo, a roupa que exulta alegria.
Tudo brilhantemente falseado,
Para esconder dos outros, sua agonia.

Encarna a personagem de um idiota…
Suporta os chapadões oferecidos.
Para os outos, motivo de chacota,
Mesmo quando seus olhos estão enegrecidos.

E o palhaço cai ao chão,
Esbofeteado e escarnecido…
Rejubila a multidão,
Pelo espectáculo oferecido.


publicado por pseudo-poeta às 00:43 | link do post | comentar

Quinta-feira, 14 de Junho de 2012
Velho trirreme da busca incessante
Remam-te loucos, em direcções opostas.
Uns buscam o poente, outros o levante,
Entre si, vão virando costas.

Rumos incertos tomados,
Por uma absoluta certeza.
Homens certos, mas enganados
Pela força da sua firmeza.

A perfeição impossível de atingir,
Lhes mantem os olhos fechados.
Estão acorrentados, não conseguem fugir.
O sonho os mantém subjugados.

E buscam e rebuscam por tudo o quanto é lugar,
Estão destinados á falha,
Mas não percebem, e continuam a buscar.
Já não há quem lhes valha…
E por algo irreal continuam a lutar.


publicado por pseudo-poeta às 23:01 | link do post | comentar

Faz frio…
E o sol não me aquece.
Meu coração…
Aos poucos se enrijece.
E os olhos…
A, meus olhos, tudo se entristece.
O desfalecimento…
O antigo desfalecimento… me desfalece.
A sadia loucura…
Em ímpetos me enlouquece.
A minha força…
Sem forças, meu ser enfraquece.
A mágoa…
Em mim, teias tece.
A falta…
Tanta falta, que me endoidece.

Faz frio…
E nem o fogo em que me ardo me aquece.


publicado por pseudo-poeta às 23:00 | link do post | comentar

Quinta-feira, 7 de Junho de 2012
Os outros…
Os outros todos…
Os outros todos, sem excepção!
São melhores que tu e eu.
São sempre mais justos, mais educados… melhores que nós.
Escrevo directamente para ti, que agora perdes tempo a ler-me… não me leias… lê outra coisa… outra coisa qualquer de um dos outros.
Eles são melhores do que eu… melhores que tu… melhores que tudo.
Os seus defeitos são virtudes, suas virtudes inexistentes são dádivas…
Os outros são fortes, e razão é sempre sua… e é inquestionável.
Os outros não erram… como eu e tu…os outros dizem sempre o que esta certo, os outros não mentem, porque a boca deles é a verdade.
Os outros…
Os outros têm tudo, mesmo não tendo nada, mesmo sendo vazios por dentro, exortam o que há de bom (e de melhor ainda) dentro si.
Os outros não nos magoam… nós é que temos inveja de não ser os outros.
Na cabeça dos outros, na realidade dos outros, eu e tu somos fruto da decadência, do mal, da loucura…
E como têm sempre razão… eu dou-lhes a razão toda…
Mas mesmo assim sendo… prefiro ser dos outros que não são os outros.


publicado por pseudo-poeta às 02:31 | link do post | comentar

O vento sopra-me na face
E no céu, um desvanecido rasto de avião.
A recordação em mim renasce…
De há dois anos, e do passado verão.

Parece-me diferente, agora, este lugar…
As montanhas, são as mesmas de antes…
E o rio… continua por aqui, a correr para o mar.
Os mesmos barcos passantes…

Tudo se muda.
Mas tudo fica igual
Escrevo… com voz muda
Que sinto este lugar desigual.

Estou perplexo com a mudança,
Que por estes lados se deu…
Já nem aqui sinto esperança
Já nem aqui me sinto eu.

Meu Éden morto!
Mais um banal lugar,
Onde finco em ficar absorto
Sozinho… com o pensar.


publicado por pseudo-poeta às 02:31 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

HOJE É UM BOM DIA PARA ES...

O PÂNTANO

O MELHOR DE DOIS MALES

DESCULPEM A SINCERIDADE…

A SOMA DE TANTOS ZEROS

DE DIFÍCIL COMPREENSÃO

TRANSPLANTE CEREBRAL

CASTELOS DEVOLUTOS

O FUMO DAS CHAMINÉS

TRINDADE

A MINHA CABEÇA VS A PARED...

SOFÁ-CELA

BANALIDADE

PORTUGAL 1143-2012

IMPERFEIÇÕES

RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL

MÁSCARAS

INSIGNIFICANTE

A CULPA É DA CANETA

OBLATA

SE É ESTE O FADO, QUE POS...

TENTATIVA DE ANIQUILAÇÃO

FICAMOS SÓS

POEMA AO NADA

MORTE AOS ARTISTAS

OBJECTOS INANIMADOS

IMPOSSIBILIDADE UNIVERSAL

GANG-BANG (POEMA ECOLÓGIC...

DESMORONAMENTO

BESTA

O PALHAÇO

FALSO IDEAL

FAZ FRIO

OS OUTROS

ALMENDRA REVISITADA

POBRES MORTAIS

TENHO MEDO DE MIM

NARCÓTICO

CABISBAIXO

ANTES FOSSE UM PESADELO

INEVITAVELMENTE

1\4 DE 0

BASTA

THÁNATOS

COLISÃO FRONTAL

VEIO Á NOITE

QUE RUMO?

A IMPERATRIZ

UM DIA DEPOIS DE ONTEM

OBSERVANDO O PASSADO, O P...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

blogs SAPO
subscrever feeds