Terça-feira, 31 de Julho de 2012
Poderia citar o genial poeta, dizendo: “não sou nada… nunca serei nada…”

Mas não haveria qualquer novidade em escrever isso.
Mas assim me sinto, sendo nada…
E minha vida, e minhas mãos transbordam desse mesmo nada…
Em conclusão, podemos concluir que a inexistência faz parte de minha existência, e é impossível encontrar outra forma de pensar.

Ainda ontem vertia lágrimas, e elas eram revestidas a sofrimento, e o sofrimento trazia consigo tristeza, e a tristeza… não trazia consigo mais nada, a não ser tristeza.
Caio em mim…
Que adianta, me lamentar?
Que diferença faz dizer que estou triste?
O mundo não vai parar de girar por esse motivo, ninguém, vai fingir sequer, que isso lhe importa.

Estou cansado… realmente cansado, de tudo isto, e disto tudo.

Embutiu-se em mim, uma grande dor, uma incompreensão gigantesca, um duvidar de tudo… e isso doí-me lacera-me por completo o ser.
Ponho em causa tudo, o mar, a terra, o céu, a merda do universo inteiro…
E abato-me no sofá, e tento dormir.
Não há sono, somente uma inquietude de pensamento, que me consome por dentro, um sufoco desmesurado, que me aperta a garganta com a força de mil seres monstruosos.

Estão distantes… (tão distantes) os sonhos…
E o fado, de ser não fadado a nada penetra-me pela testa como uma bala, de um tiro saído pela culatra.
O complexo labiríntico de minha forma ser engana-me iludindo-me, fazendo-me perder em romarias sem rumo, ao encontro do desencontro onde me encontro.

Leio Pessoa, e sinto-me um animal…


publicado por pseudo-poeta às 23:26 | link do post | comentar

Segunda-feira, 9 de Julho de 2012
O homem, o soberano, senhor de tudo…
Tomou como cruzada destruir o “amor”.
Planificou, pediu estudo…
Havia de aniquilar tamanho estupor.

Mandou um ferreiro, derrete-lo…

Este… acendeu a fogueira,
E atirou para lá o sentimento…
Mas nem uma abrasão ligeira,
Se viu, por qualquer instante ou momento.

Enfurecido, “o homem”… convocou o seu exército.

De armas em punho, desferiram sua investida.
Caíram bombas, voaram rajadas de metralhadora.
Mas no “amor”, nem única ferida,
Nem marca sequer, de tal acção tão devastadora.

Irado de tal maneira, “o homem”… exigiu a presença dos mais ilustres cientistas.

Contra o “amor”, não tinham nada…
E pouco eles podiam fazer…
Mas sua cabeça estava ameaçada.
Porem nem ciência o amor consegue entender.

Não deixaram de tentar.
E contra ele, mandaram a pior poção,
Foi vã, a tentativa do aniquilar
E suas cabeças rolaram pelo chão.

“o homem” viu-se então em desespero, não tinha forma de o vencer…

O “amor” era agora triunfante,
E por todos, levado em braços.
Mas parou de rompante…
Olhou para Ela… e desfez-se e refez-se em estilhaços.


publicado por pseudo-poeta às 04:42 | link do post | comentar

Ficamos sós, eu e a noite de sempre.
Num vazio imenso de luz acabada,
No silêncio supremo, de não se ouvir nada.

Tocamos as mãos como dois amantes,
Que se perderam na loucura do seu amor…
Fundimos nossos olhares distantes,
E deliramos em nosso próprio horror.

Harmonia perfeita por nós partilhada,
Enquanto eu,e a noite nos consolamos,
Não nos fingimos, pela madrugada…
E segredos, sem palavras, a nós conta-mos.

Perdemo-nos em naufrágios repentinos,
Admiramos as estrelas que teimam em brilhar.
Somos vitimas sem perdão de nossos desatinos,
Somos apenas a solidão a falar.

Lá fora, sopra o vento, sempre gelado.
Tenho a cabeça estragada, deteriorada.
Maldita noite amaldiçoada…


publicado por pseudo-poeta às 03:46 | link do post | comentar

Sexta-feira, 6 de Julho de 2012
Porque o “nada” também é coisa…
Porque o “nada” também têm valor…
Porque o não ter “nada” é ter alguma coisa.
Escrevo um poema ao “nada” evocando o seu valor.

Abstracção absoluta…
Imensidão sublime de zero.

Estou vazio neste preciso momento.
Um enorme oco se apoderou de mim.
Não concebo qualquer pensamento,
Sou desabitado tal qual manequim.

E não me ocorre mais nada…

Absolutamente, mais NADA…


publicado por pseudo-poeta às 02:19 | link do post | comentar

Quarta-feira, 4 de Julho de 2012
Morte aos artistas…!
Morte a todos eles!
Morte aos pintores, poetas e escritores… morte!
Morte ao actor, que se empoleira no palco…
Morte ao escultor, que dilacera a pedra… morte!

Morte a essa gente de pensamento livre,
Que só responde aos seus próprios ideais… morte!
Morte a esses loucos que ousam questionar,
A harmonia imperfeita e imaculada onde nos arrastamos… morte!
Morte a aqueles que vêm para além de tudo isto…
Que sentem mais do que isto… que vivem mais do que isto… morte!
Morte a quem canta, a quem pinta, a quem escreve, a quem dança,
A quem toca, a quem esculpe, morte… morte a todos eles.

Imbecis…

Queimem livros em fogueiras abstractas,
Derretam peliculas, negativos…
E nem molduras deixem intactas.
Acabem, exterminem com essa raça de seres pensativos.

Morte aos artistas…
Morte a todos eles!

Cortem-lhes a cabeça para não poderem pensar,
Estropiem-lhes as mãos, para que não possam escrever,
Arranquem-lhes os braços, para que lhes seja impossível tocar.
Mergulhem-lhes os corpos em ácido, até que tudo neles acabe por derreter.


publicado por pseudo-poeta às 02:10 | link do post | comentar

mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

HOJE É UM BOM DIA PARA ES...

O PÂNTANO

O MELHOR DE DOIS MALES

DESCULPEM A SINCERIDADE…

A SOMA DE TANTOS ZEROS

DE DIFÍCIL COMPREENSÃO

TRANSPLANTE CEREBRAL

CASTELOS DEVOLUTOS

O FUMO DAS CHAMINÉS

TRINDADE

A MINHA CABEÇA VS A PARED...

SOFÁ-CELA

BANALIDADE

PORTUGAL 1143-2012

IMPERFEIÇÕES

RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL

MÁSCARAS

INSIGNIFICANTE

A CULPA É DA CANETA

OBLATA

SE É ESTE O FADO, QUE POS...

TENTATIVA DE ANIQUILAÇÃO

FICAMOS SÓS

POEMA AO NADA

MORTE AOS ARTISTAS

OBJECTOS INANIMADOS

IMPOSSIBILIDADE UNIVERSAL

GANG-BANG (POEMA ECOLÓGIC...

DESMORONAMENTO

BESTA

O PALHAÇO

FALSO IDEAL

FAZ FRIO

OS OUTROS

ALMENDRA REVISITADA

POBRES MORTAIS

TENHO MEDO DE MIM

NARCÓTICO

CABISBAIXO

ANTES FOSSE UM PESADELO

INEVITAVELMENTE

1\4 DE 0

BASTA

THÁNATOS

COLISÃO FRONTAL

VEIO Á NOITE

QUE RUMO?

A IMPERATRIZ

UM DIA DEPOIS DE ONTEM

OBSERVANDO O PASSADO, O P...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

blogs SAPO
subscrever feeds