Terça-feira, 21 de Agosto de 2012
Prelúdio
É tão difícil escrever algo semelhante a um “poema de amor”, sem o tornar lamechas, ou sem cair na tentação própria dos poetas em exagerar tudo o que é sentimento, ou mesmo não abusar da inspiração da musa e escrever textos e mais textos que dizem sempre o mesmo, que reivindicam cada um deles um amor maior, uma ternura maior, um querer maior.
No entanto, mesmo correndo esses riscos, mesmo tornando possível a possibilidade de os cometer, tive a necessidade desmesurada de escrever um novo “poema de amor”.
E ATENÇÃO: nunca me auto-intitulei poeta.

Estes olhos meus…
Este coração meu…
Este cérebro…
Todo este meu ser…

O “eterno” não existe.
O “para sempre” é utopia.
Mas o meu pensar em ti persiste,
Assim como o nascer de cada dia.

Inflama-se minha alma toda por inteiro
E cedo-me sem qualquer forma de luta.
Neste sentir sou livre-prisioneiro,
E tudo o resto me é de uma frivolidade absoluta.

Não há hora em dia nascido
Que eu, de ti não me tenha lembrado,
Mesmo com o corpo adormecido
Há um sonho de ti, prestes a ser sonhado.

Tomo como certa a desilusão
Ofertando meu peito escancarado.
Não há mais, apelos á razão…
Apenas tu, meu amor desventurado.

E toda esta ternura que te tenho,
Todo este respeito, e admiração
São coisas que sinto e não desdenho,
Obras máximas de meu coração.

Epílogo
Está escrito…
Está acima de tudo sentido.
Porque o importante em qualquer “poema de amor” é o sentimento latente no mesmo, não se trata de uma exposição irracional de um “coração”, ou de uma “carta de recomendação”, ou mesmo de um embuste dissimulado em palavras que por vezes são belas.

P.S:. se a lamechice surgiu peço perdão.


publicado por pseudo-poeta às 17:21 | link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

HOJE É UM BOM DIA PARA ES...

O PÂNTANO

O MELHOR DE DOIS MALES

DESCULPEM A SINCERIDADE…

A SOMA DE TANTOS ZEROS

DE DIFÍCIL COMPREENSÃO

TRANSPLANTE CEREBRAL

CASTELOS DEVOLUTOS

O FUMO DAS CHAMINÉS

TRINDADE

A MINHA CABEÇA VS A PARED...

SOFÁ-CELA

BANALIDADE

PORTUGAL 1143-2012

IMPERFEIÇÕES

RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL

MÁSCARAS

INSIGNIFICANTE

A CULPA É DA CANETA

OBLATA

SE É ESTE O FADO, QUE POS...

TENTATIVA DE ANIQUILAÇÃO

FICAMOS SÓS

POEMA AO NADA

MORTE AOS ARTISTAS

OBJECTOS INANIMADOS

IMPOSSIBILIDADE UNIVERSAL

GANG-BANG (POEMA ECOLÓGIC...

DESMORONAMENTO

BESTA

O PALHAÇO

FALSO IDEAL

FAZ FRIO

OS OUTROS

ALMENDRA REVISITADA

POBRES MORTAIS

TENHO MEDO DE MIM

NARCÓTICO

CABISBAIXO

ANTES FOSSE UM PESADELO

INEVITAVELMENTE

1\4 DE 0

BASTA

THÁNATOS

COLISÃO FRONTAL

VEIO Á NOITE

QUE RUMO?

A IMPERATRIZ

UM DIA DEPOIS DE ONTEM

OBSERVANDO O PASSADO, O P...

arquivos

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

blogs SAPO
subscrever feeds